MENU FECHAR

Precisamos falar de Anna Atkins

Usando a cianotipia, uma antiga técnica fotográfica, a Fotógrafa e botânica Anna Atkins criou e publicou o primeiro livro ilustrado com fotografias da história – um guia botânico que trazia imagens de algas que ela mesma coletava e fotografava.

Sem sequer usar uma câmera, confiando apenas na própria intuição para controlar o tempo de exposição de suas criações, em dez anos ela capturou mais de dez mil imagens e por isso que é considerada a primeira fotógrafa mulher do mundo.

Nascida na Inglaterra um pouco antes do início da Era Vitoriana, em 1799, Atkins foi uma mulher privilegiada: seu pai, o químico John George Children, acreditava que a filha fosse capaz de realizar qualquer atividade por isso a incentivou desde cedo a ter contatos com plantas e animais.

Em 1842, Children apresentou a Atkins a cianotipia, um processo de captura de imagens que daria origem a fotografia moderna. Não é necessário o uso de câmeras: na cianotipia espalha-se num papel alguns materiais sensíveis à luz e coloca-se sobre a mistura o objeto a ser fotografado. Como resultado, as partes sem o objeto são sensibilizadas pela luz e tornam-se azuis, enquanto os locais do papel em que o objeto fez sombra permanecem brancas.

Atkins aprendeu o método sozinha e se tornou especialista em fotografar algas e plantas que ela mesma colhia. Desapontada com a falta de ilustrações no maior guia de algas britânico publicado até então, ela percebeu que a técnica poderia servir à ciência e passou o ano seguinte fotografando e catalogando todas as algas que o guia apresentava.

Por conta própria, ela publicou o livro Photographs of British Algae: Cyanotype Impressions (1843), um volume escrito à mão e ilustrado com 307 cianotipias das mais diversas algas britânicas, que acabou se tornando a primeira publicação do mundo ilustrada com fotografias.

Pouco antes de morrer, em 1865, a botânica doou seu herbário para o British Museum– e faleceu sozinha, sem grandes reconhecimentos. Por sorte, hoje o  livro hoje é pioneiro e destaque sobre fotografia do século 19.